quinta-feira, 31 de julho de 2014

terça-feira, 29 de julho de 2014

Quase com um pé nas férias

É só esta semaninha michuruca acabar que sábado lá vou eu rumo ao Norte, ter com as minhas férias.
15 dias de paz e sossego.
Até lá ainda vou ter muito que penar...

Boas férias para quem está, ou ainda vai!

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Óculos espelhados

Quem não tem óculos de sol espelhados, não tem vida social, não bebe uma cervejola ao fim da tarde na esplanada, não faz surf, não é despreocupado, não conhece pessoas neste mundo e no outro, não come sushi, não come tapas, não publica fotos loucas no Facebook, o telemóvel não faz um piu que seja, não é empresário, não dita tendências... não ... não é cool!

Posto isto, vou tratar de comprar uns novos óculos de sol!


quinta-feira, 24 de julho de 2014

Sabes que estás a ficar maluca quando...

...entras no prédio do teu escritório, e a pessoa-vizinha do costume não diz "bom dia". A dita "senhora" fica à espera do elevador no hall de entrada, tu segues e sobes até ao 4º andar a pé, e pelo caminho chamas o elevador em todos os andares.



quarta-feira, 23 de julho de 2014

As perguntas aos 4 anos

O Francisco faz muitas perguntas, e muitas repetem-se.
A caminho da praia, em Tróia, onde se vê muita bicharada, fui bombardeada:

Mãe o que é que as formigas comem?
O que é que as moscas comem?
O que é que as aranhas comem?
O que é que as abelhas comem?

E eu sempre a responder a tudo. Para alguma coisa serve eu papar os National Geographic...
Quase a chegar à praia perguntou:

E o que é que aquele senhor come?
Sim, também respondi a esta.

Outra pergunta, para ficar registada:

Mãe, porque é que estas plantas, que são iguais, umas são grandes e outras são pequenas?
A minha resposta pronta: "Porque uma comeu o jantar todo e a outra não".
O Francisco não só aceitou a resposta como fez um ar do género, faz sentido.



terça-feira, 22 de julho de 2014

# Stop the beauty madness

"Padrões de beleza irreais que sufocam e torturam a comunidade feminina: É esta a mensagem da nova campanha que já tomou de assalto as redes sociais. A Stop The Beauty Madness foi lançada pela escritora Robin Rice e que quer mudar atitudes e consciências. Dela fazem parte 25 imagens criadas para as redes sociais que habitualmente veríamos em revistas glossy. Mas ao contrário destas publicações, a mensagem é outra e apela ao monólogo interior. As legendas que acompanham as fotografias vão fazê-la/lo pensar".

in Observador

Toda a vida ouvi "é pena não seres alta", "se vestires esta roupa vais parecer mais alta". Mas quem disse que eu queria ser alta? Quem disse que isso era uma "questão" que me tirava o sono? Sou muito feliz como sou, obrigada.







segunda-feira, 21 de julho de 2014

Uma coisa que me enerva nos turistas

Fico possuída quando um turista precisa de uma informação e quando se aproxima de mim começa a falar em espanhol!!! Nervos. Que Raiva.

Não têm noção do que me enerva. Às vezes penso, só para aprender vou mandá-lo para a direcção oposta! Ainda não o fiz... mas até ver, não descarto a hipótese.

Mas quantas vezes digo com o meu ar irónico "Amigo, aqui em Portugal falamos português, não falamos espanhol, isso é lá para a Espanha..." ou "Oiça, aqui não se diz gracias, diz-se obrigada"

Não estão a ver o ar dos turistas...

E a vez que uma local na Hungria, me perguntou como se dizia "goodbye" em português, eu disse que era "adeus", e a mulher a dizer que não, que não era assim, que era "tchau" que outros da minha nacionalidade já lhe tinham ensinado... E a insistir.

Estão a imaginar o meu ar e do F.?
De incredulidade.

Fui-me embora, e deixei a senhora do McDonalds na sua feliz ignorância.
Uma húngara a ensinar a uma portuguesa a falar português. Só comigo mesmo.
Atraio gente parva.

domingo, 20 de julho de 2014

Castigos cruéis

Não podendo identificar os intervenientes aqui vai uma história que não lembra o diabo...

Era uma vez... uma criança que era muito desarrumada, nunca obedecia aos pais quando lhe diziam para arrumar o quarto. Espalhava os brinquedos pela casa toda, que tinha uns 20 quartos (não estou a exagerar).
A solução que o pai arranjou?

Sempre que iam à Santa Terra, o pai agarrava na filha pela mão, e com os brinquedos debaixo do braço, ia de porta em porta, dar os brinquedos da filha, às crianças da aldeia.

Se passou a arrumar o quarto? Passou a arrumar mais.
Se ficou traumatizada, claro!

E eu que achava que era exagerada...


sábado, 19 de julho de 2014

Ás vezes gostava...

... ter um filho panhonha (não sei se é assim que se escreve), um yes man.
Raios, é uma canseira repetir tudo milhões de vezes, ter que explicar porquê, ameaçar castigos, aplicar os castigos. Irra!

É assim tão complicado ir para a mesa quando chamo? Ir à casa de banho quando acorda? Pedir com um sff? Agradecer no fim? Comer de boca fechada? Não desarrumar o quarto ao ponto de parecer que passou um furacão?

sexta-feira, 18 de julho de 2014

E...

Hoje faz 1 ano que estava a receber a notícia por telefone, do meu médico, que tinha que ser internada.
Foram longos 15 dias. Um desespero.

Não sou lá muito boa com datas... mas esta ainda não se apagou da memória. E o medo de voltar a ser internada também não...