quarta-feira, 30 de abril de 2014

Isto não é uma piada...

Depois da minha recente visita ao dentista. Recordação que não quero guardar... decidi que ia deixar de comer porcarias. O que para mim são: pastilhas, mentos, rebuçados e gomas. Não está a ser fácil, mas até agora estou a conseguir, se não me falham as contas já lá vão 2 semanas e tal.

Não deixei de comer chocolate nem bolos... mas se cortar definitivamente nos items acima. Para mim já está óptimo.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Nova sobrinha a caminho

E é já amanhã que vai nascer a nova sobrinha, a Isabel.
Estamos em picos, e em contagem decrescente.
A nossa máquina fotográfica nem tem dormido com tanta excitação...

domingo, 27 de abril de 2014

Isolei-me do mundo

Quando vou de férias (neste caso da Páscoa), não vejo emails, não vou ao Facebook, e esqueço-me que tenho telemóvel. Durante 10 dias ignorei tecnologias, o que para mim é a melhor dieta detox! Também não vi televisão nenhuma durante 2 dias (porque avariou) e também não senti falta.

Isolei-me do mundo e... morreu o Gabriel Garcia Márquez, morreu o Augustus, morreu o Vasco Graça Moura, afundou-se um navio cheio de jovens na Coreia do Norte, um pai e respectiva madrasta mataram o filho daquele, o Benfica é campeão nacional, o Marquês de Pombal vestiu a camisola, um homem matou 2 mulheres, feriu outras duas e anda a monte em Viseu.

Não perdi nada, portanto.

Enquanto o mundo girava eu... dormi a sesta a seguir ao almoço, deitada na relva, ao sol, joguei às escondidas com as minhas crias, tive uma overdose de chocolate, "organizei" a caça aos ovos da Páscoa, corria ao lado do mais velho que pedalou que se fartou na sua bike nova (perguntou-me se queria ir dar a volta ao mundo com ele), aquecia-me ao fim do dia à lareira, fui às feiras locais e comprei este mundo e o outro (com meia-dúzia de tostões), comi catrefadas de tostas fofinhas de chouriço, comprei revistas (e li-as), desci o escorrega com os meus dois filhos ao colo...

Sinto que estou a ficar velha, com cada vez menos paciência para as tecnologias... digo-o no meu blog que está por um fio.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Na fila do Santini

Eu a minha mãe na fila do Santini.
E porque a fila está longa, peço à minha mãe para me ir dizendo os sabores que estão escritos no quadro.


Mãe: "Framboesa, caramelo, natas ácidas..... quedim? Não percebo o que é que está ali escrito..."
Eu: "Se for Quindim é um doce brasileiro, ou se calhar é cadim e..."


Rapaz que estava à nossa frente na fila: "É quindim que está escrito"
Agradecemos a informação,


Eu: "Mãe mas era possível ser Cadim que é uma associação que o Santini ajuda, acho que ajuda cãezinhos abandonados e assim..."


Rapaz que estava à nossa frente na fila: "Por acaso a Cadim ajuda crianças com dificuldade de atenção e aprendizagem..."


E é isto...

segunda-feira, 7 de abril de 2014

2 anos de Benedita*

Para minha memória futura:


  • É doida varrida. Tem a maior das latas. Safa-se de tudo com um sorriso
  • Passa a vida a cantar, a falar, e a "citar" os golpes de ninja do mano (faz isto tudo, também, quando já está na cama supostamente para dormir)
  • Come como se o mundo fosse acabar agora-ou-já ("quero uma")
  • É uma pirosa do pior, a andar abana-se toda
  • Do nada dá-nos abracinhos, porque sim
  • Está sempre a fazer asneirada, escala tudo o que lhe aparece à frente, parte, estraga, rasga, desarruma (os castigos não funcionam). Mexe em tudo. Quer saber o nome de tudo.
  • Passeia-se com a minha roupa, passeia-se com as chaves do carro do pai (também põe ao pescoço)
  • Está sempre a tirar as meias, mesmo que esteja um frio de rachar
  • Está sempre a rir. Qualquer coisa a faz rir.
  • Para adormecer precisa de estar agarrada a uma etiqueta
  • Faz umas fitas de filme, faz-me passar "vergonhas" em locais públicos
  • Não desiste do que quer, e fica-nos a chamar até à exaustão (nossa), agarra-nos a mão e diz "anda" para irmos fazer o que precisa, quando nos está a chamar e nós não estamos a olhar, agarra nas nossas pernas e vira-as para ela...
  • Tenta nos aldrabar quando quer sair do parque (diz que tem cocó)
  • Bebe litradas de água
  • Quando estou a ralhar com ela, zanga-se comigo porque eu não me posso zangar com ela (faz cara feia e cruza os braços)
  • Pede muito colo ("colho")
  • Na consulta dos 2 anos, a pediatra disse: "Não se preocupe, o mundo é dela".


* Citação da madrine que postou no FB uma foto muito fofinha das duas.

sábado, 5 de abril de 2014

Compro ou não compro?

Há quem coleccione sapatos, há quem coleccione malas e por aí fora... Eu tenho uma pancada forte por macacões. Não se explica. Vejo um numa loja e a probabilidade de o comprar é muito grande (a não ser que fique mal).
E pronto dei de caras com este na Zara (vamos ignorar a soca vou ali-lavar-a-varanda-e-já-volto), ainda não o experimentei, mas pelo corte, é coisa para me ficar bem.

Piqueno problema? Em que ocasião irei usar? Nas minhas infindáveis idas ao supermercado, numa ida à esplanada, num jantar de amigos cá em casa, quando levo o Nico ao colégio?

Bom ainda tenho alguns baptizados no futuro, vou-me precaver!


sexta-feira, 4 de abril de 2014

As meninas portam-se muito melhor que os rapazes...

A minha filha com 2 anos (acabadinhos de fazer) é um verdadeiro furacão!


Lá por casa ainda temos o parque montado na sala, porque ou estamos sempre a ver o que é que anda a fazer (o oposto do irmão) ou então vai para o parque. Solução: Vai para o parque.


Já da altura do Francisco-bebé, um dos lados do parque tinha um pequeno buraco na rede, mínimo, que aumentou exponencialmente na Era-Benedita... ao ponto de um belo dia a própria ter saído por lá, tirado as meias (coisa que sabe que detesto) e apareceu-nos na cozinha a rir...


A lata!


E depois uma versão muito pior...


Por milésimos de segundo tirámos a vista de cima da fera, e já tinha escalado a cadeira, da mesa de jantar, por sua vez escalou a mesa, e a cereja no topo do bolo... sentou-se sozinha na sua cadeirinha que está presa à mesa. Uma acrobacia que dava direito a uma viagem expresso para o hospital.


Eu e o Filipe não estávamos a acreditar quando chegámos à sala. Ela, impecável sentadinha à espera de comida, porque sim.


E o irmão a assistir a tudo de camarote.


Tenho cá pra mim que a irmã vai partir a cabeça mais cedo que o irmão... É mesmo uma questão de tempo.