segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Natal

Estão oficialmente fechadas as compras de Natal. Alguns presentes já estão com etiquetas e tudo! Um espectáculo!
Pode começar o Natal sff.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

E antes que a Sofia me apague...*

Ando com trabalho até às pontas dos cabelos (e por isso não tenho tempo para nada), cortei o cabelo e detestei (e novidades), coisas menos boas aconteceram na minha ausência de blog e lá por casa anda a minha família nuclear a refazer a sua vida, estamos quase em Dezembro e os presentes quase todos comprados, faltam 5! E em Novembro vão estar todos despachados.
Em breve posts mais divertidos...

*Amiga que disse que apagou uma lista de blogs que seguia mas que os respectivos donos não escreviam há muito tempo.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Na perfumaria

A senhora que me ajuda a comprar um presente pergunta:
„Podia-me ensinar como é que se fazem rapazes? (É que eu só sei fazer meninas)“
Eu estava acompanhada pelo Francisco e pela minha mãe.
A minha resposta pronta (ou não seria de esperar outra coisa): „Tente no Carnaval“.
A senhora disse que ia tentar. Daqui a uns meses passo pela Sephora a confirmar.

Nota: Esta mesma senhora inicialmente havia elogiado a minha filha tão bonita. Sim estou a escrever no feminino. Depois de ter clarificado a confusão. A senhora justificou-se pelo facto do Francisco estar de calções encarnados (!?). Os Benfiquistas que se cuidem...

Vivafit

Desde que estou no Vivafit, 1 de Setembro, tenho vindo a piorar. Vou duas vezes por semana, e pelas medições mensais que me fazem, estava melhor quando aterrava no sofá e não me mexia.
A minha vontade de ir ao ginásio é menos que nada, e obrigo-me a ir. Na primeira medição aumentei exponencialmente de peito (!?)* e na segunda já tenho mais um kilo e mais um centímetro na coxa. Um espectáculo.

* Enganaram-se a anotar as minhas medidas. E ficaram espantadas com o meu aumento de 6cm no peito! Perguntaram-me se estava grávida, a amamentar, na fase do mês... enfim só faltou a pergunta dos implantes. Uma estupidez pegada.

Abate

Acabou-se o rádio que se desliga quando passamos numa lomba, ou liga (às vezes também acontece), acabou-se o cheiro a caril (que nunca percebi porque é que aparece), acabou-se ter que agarrar na porta pesada do porta-bagagens (porque não se segura sózinha), acabou-se o barulho peculiar quando começa a funcionar (o F. poderia estar no trânsito a quilómetros de distância, e eu de olhos fechados conseguiria localizá-lo em três tempos), acabaram-se os cálculos dos quilómetros que já andámos (o ponteiro do depósito da gasolina morreu há muitos anos). Acabou-se!
Se tudo correr bem hoje o pony vai ser abatido.

Agora a outra versão.

Este carro velho como tudo nunca falhou no essencial. Nunca tivemos problemas com o motor, nunca. Nunca ficámos pendurados. Aliás, enquanto o Saxo, qual hipocondriaco, se divertia a passar os dias na oficina, o Pony cumpria a sua função. Foi sempre a segunda opção, desde que o Saxo apareceu, mas lutou sempre pelo primeiro lugar. O problema era e é tudo o resto... o conforto também conta. Se desse para andar na estrada só com o motor, eu escolhia o Pony, sem margem para dúvidas.
E nunca, nunca tivemos um acidente com este carro.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

As coisas que eles inventam

No meu bairro existe um Clube de Fitness mental que dá pelo nome de "Passeio da tarde". Quando tiver paciência vou informar-me... conheço umas quantas pessoas que não se importavam de ser sócias...

O nosso carro atrai...

... pessoas sérias mas que não sabem conduzir.
Bateram-nos no carro outra vez, no Saxo, mas desta vez ninguém ia a conduzir. Estava estacionado. A senhora deixou um bilhete a identificar-se. E lá vai o carro para a oficina outra vez. Eu já perdi a conta das vezes que nos bateram neste carro...

Música do Francisco e do F. no meu telemóvel xpto

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Nova era

Recebi de presente do F. um telemóvel, o Nokia 5800. Não estava à espera, e inicialmente não fiquei propriamente deslumbrada (isto porque o meu critério para comprar um telemóvel é porque o anterior avariou). Tentei disfarçar mas o F. topa-me a milhas… Depois comecei a mexer naquela gingajoga e fiquei viciada. Este telemóvel quebra com décadas de trambolhos, pesados, desactualizados e que só davam mesmo para telefonar (o que traduzido para miúdos significa que tive em toda a minha vida 3 telemóveis, o terceiro herdei do meu pai em segunda mão).
O novo telemóvel é táctil, dá para carregar quilos de música, fazer vídeos, tirar fotos com qualidade, é extremamente intuitivo, a música do despertador não é nada irritante (pelo contrário), tem um sistema que quando recebemos uma mensagem ou telefonema e não nos apercebemos, fica uma luzinha a piscar a avisar e é super fácil de "passear" pelos ficheiros. Enfim, um presente surpresa mais do que aprovado e cheio de qualidades.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Festas

No próprio do dia fomos almoçar às 3 da tarde à Capricciosa, um sol desgraçado que não dava para ficar junto da janela… Á noite jantar com a família mais próxima lá em casa, éramos 12, porque não cabia mais ninguém na mesa. Para além da roupa, que deu muito jeito, o Francisco recebeu ainda uma mota (a única que vai ter na vida) e um jambé que vinha recheado com uma matraca, e coisas no geral que fazem barullo.
Nessa mesma noite deu-me um “vaipe” e enviei uma mensagem nocturna/relâmpago a convidar os amigos mais próximos para um lanchinho lá em casa. Contas feitas: 11 adultos e 8 crianças. O caos estava instalado mas valeu muito a pena, apesar de não conseguir acabar nenhuma conversa com ninguém, pôr a Patricía a mudar a fralda ao meu filho, fazer scones como se não houvesse amanhã, e andar a esconder os brinquedos ao Afonso.

A música do Francisco



E porquê? Foi a primeira música escolhida para um vídeo que o F. fez sobre o Francisco desde que nasceu até aos dias de hoje. E o início dá-me sempre vontade de chorar, é um vídeo do nosso baby, na maternidade, ao colo do F.
Este best off que só tinha 55 minutos passou durante o jantar de anos do Franciscote, está lá toda a gente! Até o Papa (não estou a gozar).

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Fazer anos no mesmo dia que a minha mãe e o meu filho é…

  • Preocupar-me com presentes importantes
  • Ter sempre a companhia de umas quantas velas no “meu” bolo
  • Não ser dona e senhora do “meu” dia
  • Pegar no telefone para dar os parabéns a alguém (a minha mãe)
  • Receber parabéns a triplicar ou a quadriplicar

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Gajas boas

Não sou de apreciar mulheres mas há umas que até eu fico de boca aberta… vi (desculpem a expressão) uma gaja tão boa na rua, mas tão boa, que era impossível passar despercebida à pessoa mais distraída. Aquela rapariga por onde passava deslumbrava. T-shirt justa branca, uma grande mini-saia, botas cano alto, cheia de curvas (mesmo) e cabelo castanho comprido selvagem. Era uma bomba. Contei a cena ao F. a dizer-lhe que até eu tive vontade de lhe contar uma história… E ele refilou que se fosse ele a dizer aquilo já estava a levar na cabeça. Ah! Pois claro!

No dia seguinte foi a vez do F. deparar-se com uma cena semelhante… no meio do trânsito, estranho e estúpido, porque pelo que ele tinha conseguido perceber era só um carro avariado. O F. não estava a conseguir deslindar o mistério de três faixas de rodagem estarem a andar em câmara lenta. O tal carro avariado tinha uma dona que estava debruçada sobre o motor, vestia umas calças de ganga hiper mega justas, uma camisa branca que depois de tanta chuva em cima tinha ficado transparente e aquilo era cena para começar pelo menos um filmezinho erótico… O polícia que já lá estava ao lado devia estar cheio de vontade de levá-la ao castigo, perdão, de multá-la toda. Melhorou o meu reparo.