sexta-feira, 30 de julho de 2010

A música para o fim-de-semana

Empregos, chefes e afins…

Já tive muitos empregos, e de cabeça não os consigo dizer todos.
Pausa. Vou contar.
Que me lembre estive em cinco empresas diferentes, nos últimos oito anos, e dentro de algumas delas tive cargos diferentes, e em áreas diferentes. Já sem contar os trabalhos em horário pós-laboral.
O meu percurso enriquecedor e atribulado fez-me conhecer centenas de pessoas interessantes, famosas e desconhecidas, viajar para locais que nunca iria por minha conta, conduzir automóveis espectaculares, não, ESPECTACULARES, ter chefes fantásticos (dos homens nada a apontar, algumas chefes mulheres que tive eram de fugir…). A minha vida profissional tem sido inesperada, atribulada mas muito divertida. E se voltasse atrás fazia quase, quase tudo igual.

Não me consigo imaginar a ter o mesmo emprego desde que sai da faculdade. A mesma função, o mesmo chefe, a mesma secretária, os mesmos colegas… Neste departamento da minha vida sou muito instável, farto-me a uma velocidade estonteante, e preciso de estar sempre a aprender coisas novas, de ter novos desafios.

C.C. Vasco da Gama

Nunca vi parque de estacionamento mais irritante que o do Centro Comercial Vasco da Gama. Não há maneira de não sair de lá furiosa.
Sempre que eu e o F. queremos sair do parque não conseguimos porque não encontramos a saída. Seguimos as placas que dizem “saída”, depois mais outra, e outra, e outra, e quando damos por nós voltámos à “casa de partida”. Andamos ali às voltas e voltas até enjoar… e depois sem querer, acho que é quando decidimos não seguir as indicações, encontramos a luz ao fundo do túnel.
Acho que da próxima vez vou usar o truque das migalhas para decorar o caminho…

Nota: A moda que agora todos os parques de estacionamento dos centros comerciais têm de dividir os espaços por cores, números e letras, imagens etc… etc… é uma confusão… E às tantas já não sei se estacionei na zona laranja J15 polvo ou na zona encarnada M16 peixe.
E simplificar? Não?

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Lanidor

Comprei um bikini nesta loja. Usei-o pouco mais que três vezes, e começou a alargar, ao ponto de ter que puxar mais as alças, e de sair da água com “cuecas de velha” com metade da água do mar dentro das mesmas. Lindo…
Regressei à Lanidor do El Corte Inglès, onde tinha comprado, faço a minha queixa perante a responsável da marca. Reacção da senhora: “É a primeira vez que estamos a receber uma reclamação relativamente a este artigo”. Nem abri a boca, nem havia mais nada a acrescentar. Se a dita empregada me quer chamar mentirosa que deixe as entrelinhas… Ficaram com o biquíni que vai ser enviado para o departamento da marca para ser analisado. Não sei qual vai ser o veredicto, mas eu é que não vou ficar a perder.
Cenas dos próximos capítulos para breve.

terça-feira, 27 de julho de 2010

40

Sábado foi dia de ir à festa de anos do primo S. Que faz 40 mas parece ter 30.
A questão é que ele só faz anos no dia 24 de Dezembro… mas decidiu fazer uma mega festa num restaurante/bar em cima da praia em conjunto com mais 7 amigos que também fazem ou já fizeram 40 anos em 2010.
Achei a ideia genial! Fazer uma festa de anos, antes de tempo! E em Dezembro há outra!
Eram mais de 350 pessoas, uma noite fantástica, não esquecer que estávamos no Porto e que é muito raro, um óptimo ambiente e (já me esquecia) bar aberto!
Foi mesmo muito giro, eu andei a saborear champanhe várias vezes, o F. e a mana meteram-se nas caipirinhas, dancei até não aguentar os meus sapatinhos com 12 centímetros, e a meio do caminho para casa (estávamos mesmo muito perto) fui literalmente a pé para casa. Regressámos eram quase 5 da manhã pois às 8 teríamos um bebé a acordar…

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Daniela Ruah a dominar a entrevista, o entrevistador...

Katyzinha que faz muito sucesso no youtube



Que personagem!

Make a whish

E assim de repente já posso riscar o meu whish da list.
Na sexta-feira à noite foi dia de ir até ao Porto passar o fim-de-semana na companhia extra da mana. E pelo caminho fizemos um desvio para Coimbra. Estranhei, e como estava meia ensonada, perguntei ao F. se não se tinha enganado. Resposta pronta: “costumamos ir por aqui, mas normalmente nesta parte já estás a dormir”. Como à noite todos os gatos são pardos, não liguei.
Depois vejo-o a virar para um centro comercial, e perguntei o que estávamos ali a fazer, disse que tinha que ir comprar uma capa para a piscina da casa de férias da tia, e que tinha que ser ele porque a tia baralha-se nos caminhos. Resignada aceitei.
Fez a compra, deu o saco à mana, que ia no banco de trás, e seguimos caminho. Pouco depois do inicio da viagem, reparo que no pulso do F. está o relógio que eu queria! Não estava mesmo nada à espera.
Adorei a surpresa! Foi mesmo muito fofinho.

Nota: Fomos a Coimbra buscar o relógio porque na cor que eu queria só havia naquela loja.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Whish list à moda da Sofia

Apaixonei-me perdidamente por este relógio... e ando a ver se a febre me passa.

Férias

Não, este não é um post em que digo que vou de férias e só volto na próxima quinzena. É um post onde chego à brilhante conclusão que preciso de férias. De facto este ano tem sido um ano de emoções fortes em todos os sentidos. Estou cansada. Estou de rastos.
E se não paro a bem paro a mal. Esqueço-me de tudo, perco tudo, chego atrasada a todo o lado. Eu não sou assim. Perdi a mala do Francisco, a carta de condução do F. e ontem o telemóvel (que acabei por encontrar embrulhado nos lençóis da cama já passava da meia-noite e acabei por deixar uma amiga pendurada no aniversário do filho). São umas atrás das outras. Estou cansada. E há dias que acordo a pensar que nunca mais chega a hora de me ir deitar.

Labirinto

Fez ontem uma semana que acordei cheia de tonturas. E durante o dia todo e até à noite a coisa não melhorou. Descer e subir escadas só apoiada, ler só de cabeça levantada, andar na rua com muita calma, movimentos bruscos nem pensar. Estava também com náuseas. Fomos às urgências para saber o que se passava. Estive a soro e deram-me uns comprimidos. Passado uma hora, nada tinha mudado. As tonturas continuaram e continuam. A médica depois da primeira hipótese brilhante. Se calhar está grávida. Tentou na segunda volta uma aproximação mais directa: primeiro vai ao otorrino e, depois, se calhar a um neurologista. Poder de síntese e muito tacto.
Hoje fui ao otorrino mais conceituado de Lisboa e arredores. Respondi a mil perguntas, fiz alguns exames “rudimentares” de olhos fechados, levei com muita teoria. E o veredicto: tenho vertigem posicional paroxistica benigna ou H…. vestibular (não percebo a letra do médico).
Em suma 80% dos casos não se sabe como aparece, e supostamente irá desaparecer dentro de três semanas. No meu caso apareceu provavelmente pelo stress. Enfim tenho uma assimetria no sistema labiríntico periférico, ou traduzido para miúdos: o meu GPS anda a mandar informações certas e erradas ao mesmo tempo para o cérebro ou um lado manda as informações à velocidade do costume e o outro lado tirou férias.
Toda a gente tira férias menos eu! Até o meu labirinto!

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Ainda o polvo

O Paul polvo, enquanto for famoso, não terá que pensar sequer em comer um “dedo”. Isto de andar a brincar às bandeirinhas trás mesmo notoriedade. Até parece que um aquário em Espanha o queria comprar (não sei como é que isto ficou), o que sei é que durante a febre do Mundial as pessoas faziam fila (!?) para o ver…

Se eu fosse polvo, e com a preguiça que tenho para cozinhar e comer (os dois com o mesmo grau de intensidade) já andava a pintar quadros com os pés há muito tempo.

E por falar em pés e braços, o meu filho, não bate palmas (como os bebés normais) nem sabe o que isso é mas… meus amigos… bate os pés na perfeição, como se fossem mãos! E tenho as minhas dúvidas que alguém lhe tenha ensinado tal proeza. É um artista.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Limpezas

Que o Pony anda num estado lastimável não é novidade… ainda por cima quando a pessoa que anda com ele é o F. Uma pequena lista: terra, pó, pêlos de cão, cocó de pombo, migalhas de bolachas, folhas das árvores que ficaram coladas ao carro, jornais velhos etc, etc. Está um nojo.
O Citröen saxo, que costuma andar civilizado, nos últimos tempos anda com os vidros todos sujos, e porquê? Porque me roubaram, sim eu disse roubaram, o depósito da água para limpar os vidros.
Que este carro era o mais fácil de assaltar do mercado, já sabia, agora que era moda roubar o dito depósito…foi uma verdadeira novidade. O nosso mecânico diz que é muito comum (!?).

terça-feira, 20 de julho de 2010

Continuando a parvalheira...


Li numa revista (adoro esta deixa)que se um polvo estiver esfomeado, pode comer um dos braços.
Que prático! E que desenrascado! Estou fã do polvo.

Nota: Ao procurar na net uma imagem de um polvo, dou de caras com um homem todo nu com um polvo fresco em cima (!?). Optei por uma versão mais soft para o meu post.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Et voilá... outro vídeo muito famoso no youtube

A declaração de amor portuguesa que põe o beijo de Casillas no chinelo



Nota: Esta criança vai arrepender-se tanto deste vídeo, mas tanto...

Entrevista

Não sei se já tinha dito neste Blog, mas tenho uma tendência para entrevistar todas as pessoas com que me cruzo. Talvez influenciada pelo meu curso, e antiga profissão. E a quantidade de histórias engraçadas que oiço… não é quantificável.
Ninguém me escapa, o carteiro, o taxista, o padeiro, a florista, o homem do quiosque, a empregada da Zara. Os desconhecidos são os melhores entrevistados.

Sábado, no cabeleireiro, entrevisto a manicura/ esteticista que me atende, e que diz há cada vez mais homens a cuidarem da imagem, mas que a grande parte não o assume. Por exemplo? A maioria dos homens que vão ao tal cabeleireiro, pedem para arranjar as unhas, escondidos num gabinete, que normalmente só é utilizado para a depilação.
Sim, porque macho que é macho corta as peles das unhas com os dentes, e dispara-as para a calçada portuguesa…

Casamento II

A razão do post anterior era, primeiro, para ver se tenho vergonha na cara, e segundo porque uma das pessoas mais importantes da cerimónia, a mãe da noiva, morreu quando ela tinha 14 anos, de cancro.
E fiquei a pensar como é que uma mãe/ pai se despede de um filho quando sabe que a sua vida está por um fio. Como é que se diz tudo o que há para dizer, ensinar, falar, rir, partilhar a um filho, que ainda é tão pequenino, que tem uma vida pela frente de dúvidas, conselhos, segredos…

Fiquei muito comovida quando vi uma grande amiga da mãe da noiva chorar emocionada abraçada à C., a noiva, cheia de pena de estar a viver um momento tão importante “sozinha”...

Eu acho que tentaria escrever uma carta para cada fase da vida do meu filho, a dar conselhos, a contar histórias que me tinham acontecido quando tinha a idade dele, a fazer piadas pelo meio. Tentaria estar presente nem que fosse numa versão A4 pautada.
Enfim, há coisas que é melhor nem imaginar.

Casamento

No sábado que passou foi dia de casamento de uma amiga do F., que é mais ou menos como uma prima. A cerimónia foi na casa dos noivos, já viviam juntos antes, depois o beberete foi num espaço cheio de sol em Cascais, e a seguir a grande festa, noutro local, que para nós, a família dos F’s durou até às 23h00, já que tínhamos um bebé cansado e em picos para chegar à sua caminha.

Nota 1: Chegámos atrasados pela última vez. É uma garantia. Dos poucos lugares sentados que existiam para assistir à cerimónia, um deles a noiva reservou para mim e para o Francisco. E foi o único lugar que ficou vazio durante o “sim”. O que foi péssimo!

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Mala verde escura II

Já na esquadra para levantar a mala perguntei ao senhor polícia se não era preciso assinar nada. Perguntei várias vezes. Mas apenas foi necessário apresentar o BI, dar os meus contactos pessoais, e fui à minha vida. Acho que tinha havido um problema no sistema, e não tinha ainda sido registado a entrada da mala na esquadra.
Nesse mesmo dia o tal polícia ligou para o meu telemóvel a pedir para voltar à esquadra para assinar um papeleco com um nome pomposo, mas disse-lhe que naquele dia já não podia ir. Prometi que iria no dia seguinte. Tive que dizer a hora e tudo! No dia seguinte esqueci-me. No outro dia, isto quarta-feira, logo pela manhã, a Família dos F’s e R a sair do elevador houve alguém a falar em alta voz*. E disse em tom de gozo para o F. grande, tu queres ver que é a polícia?
E era mesmo.
Um polícia alto e espadaúdo que estava a tocar à campainha, perguntou-me por acaso se eu não era a senhora Raquel XPTO? Disse que sim, assinei os papéis, e pelo meio ainda fiz uma piadinha se o senhor me ia levar presa. O polícia não mexeu um único músculo da cara. Que falta de graça.
O F. disse que a polícia deve ouvir esta piada todos os dias… se calhar é isso, é porque a minha piada era mesmo boa.

*leia-se aqueles walkie-talkies com que costumam andar.

Mala verde escura

No fim-de-semana que passou deixei a mala de viagem do Francisco sabe se lá onde, e a criança passou dois dias em Tróia com a mesma roupa, intercalando com uns tops meus. Andou com uma fralda na cabeça (parecia que ia fazer limpezas), porque não tinha chapéu, e não tomou banho com gel duche nívea, porque tinha deixado na dita casa de férias alguns produtos de bebé.
A grande questão era, onde é que tinha ficado a mala? Ou em terra, leia-se em Lisboa, ou do lado mar, já em Tróia a descarregar as malas. Eu que tinha carregado a tal mala, não me lembrava sequer de a ter largado… Liguei para o posto da GNR, para o Hotel, para a equipa de seguranças que faz vigilância de Tróia, e nada.
Deixei avisos no prédio a dizer “Pede-se a quem tenha encontrado uma mala verde escura da Benetton, com roupa de bebé no interior o favor de entregar no andar XPTO”. Nesse mesmo dia, fui à esquadra da minha localidade, por descargo de consciência, e lá estava a minha malinha, com tudo lá dentro. Intacta.
Mas onde raio tinha deixado a mala?
Foi um vizinho meu que a encontrou, e estava na rua, em cima do passeio “a testar os seus limites” a ver quem é que a levava para casa… Teve azar. Voltou ao seu dono.

Se o F. estivesse ao meu lado enquanto escrevo este post, diria, é preciso ter descaramento! Agora a culpa é da mala que é uma vadia!

domingo, 11 de julho de 2010

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Patriotismo da treta

Não me lembro de ter visto o primeiro jogo da Selecção, no segundo jogo marquei uma consulta, e no terceiro aproveitei para ir abastecer à bomba de gasolina do Jumbo (que costuma ter filas intermináveis e neste dia tinha meia dúzia de gatos pingados, eu incluída, e a maioria dos “gatos” eram mulheres).
Este ano não apanhei a febre do futebol, nem vibrei com um grupo de “desportistas” que foram para o Mundial coçar a micose… e serem pagos por isso.
Tive sempre coisas mais úteis para fazer.

Tenho pena, muita pena é dos outros desportistas que dão o litro, sabem o hino (!), ganham medalhas (imagine-se!) e ninguém lhes liga nenhuma…

quarta-feira, 7 de julho de 2010

No menu

Os bebés que vão nascer ainda em 2010 são: o Vasquinho, lá para 2 de Agosto, e a Margarida (juro que é uma rapariga) que está prevista nascer entre 27 e 29 de Outubro.
Já não vou dizer que na minha família ninguém é original e nascemos todos no mesmo dia (29 de Outubro, para quem ainda não sabe), e que a Margarida é portanto minha prima de sangue, e só para chatear não vai querer ser diferente…

Nota de pé de página: relembro que o mês de Outubro, já para não falar nos outros, tem mais 30 dias, caramba são tantos, prontos a estrear…

As primeiras palavras

Primeiro foi “olá”, tudo pegado, tudo de seguida. E agora é “papá”. Também tudo pegado e tudo de seguida.
O Francisco que me venha pedir favores e colinho que eu digo-lhe…

Contar até 1000 (com palavrões pelo meio)

Continuo sem perceber porque é que os meus vizinhos do lado teimam em viver com a porta de casa aberta (esta situação agrava-se em dias de calor). Acrescento que a sala de jantar é mesmo em cima da porta, e por isso, nós temos que levar com o barulho dos talheres, da família a discutir (não sei onde é que arranjam tanto assunto para andar à estalada), ah! e claro, o rato (cão) que têm lá em casa ouve-se ainda mais. Ontem às 23h00 foi por um triz que não fomos lá “bater” à porta aberta e pedir um bocadinho de contenção…

terça-feira, 6 de julho de 2010

O projecto no papel e ao vivo e a cores






Saiba mais em www.favelapainting.com

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Até agora, a resistir.

E perguntam vocês “como é que sabes quando começam os saldos em todo o lado?”. Ora a resposta é simples: trabalho ao pé do El Corte Inglès, da Zara, da Massimo Dutti, da Zilian, da Pull & Bear, da C&A… Chega?
Agora é que vou pôr à prova a minha capacidade de poupança. Principalmente durante o Inverno, quando não der para ir passear para os jardins da Gulbenkian ou para passear na rua no geral.

Informação privilegiada III

A Zilian já está com promções de 30%.

Acidente 2

Ontem foi dia de ter mais um acidente de carro.
Um carro à nossa frente parou para deixar passar na passadeira, nós que vínhamos atrás parámos a tempo, os que vinham atrás de nós, não.
Desta vez o F. é que ia a conduzir, devagar, o Francisco ia no banco de trás e apanhou um valente susto, e chorou. Eu fiquei super nervosa, e nos milésimos de segundos (que parecem horas), que demoro a sair do carro para ir até ao banco de trás ver se estava tudo bem com o Francisco… foram horríveis.
Estou a começar a ter medo em andar de carro.
A seguradora que ainda não tratou de arranjar a porta do lado, tem agora a bagageira para arranjar. Desta vez todos os papéis foram preenchidos como deve ser, até tirámos foto com a nossa máquina fotográfica, o F. até ficou com o nº de telemóvel de uma testemunha.

Baptizado do Henrique

Chegámos atrasados (eu já não sei porque é que ainda digo isto), os pais também chegaram atrasados, o Bridges não desiludiu e a madrinha também chegou atrasada (escândalo!). Em síntese, três ou quatro gatos pingados chegaram a horas.
Família Tanaka foi recrutada para fotografar tudo e mais alguma coisa, e eu a achar que não tínhamos tirado muitas fotos… foram mais de 200.
Foi muito giro, correu muito bem, um dia fantástico (que também ajuda), muitas crianças, muita conversa, e o Henrique foi iniciado no vinho do Porto!

Coisas que não se percebem… os sapatos novos caiam-me dos pés (tive que andar a passo de caracol), o Puskas a tirar fotos deixa os “fotografados” plantados e vai à sua vida, a Mima pôs o Francisco na ordem, o Sal e o Afonso concorriam a ver quem é que tinha mais pilhas!, e o Vicente achou que eu ficava melhor de branco…