domingo, 23 de novembro de 2014

Fim-de-semana no Porto

Foi um fim-de-semana cheio,sem crianças, para variar.
Rumámos ao Porto, na companhia dos cunhados, para fazer uma surpresa ao nosso querido-afilhado. Na sexta ia dar um concerto na invicta, e nós queríamos dar o nosso apoio. Na companhia de 2 primos do Porto conhecemos a noite do Norte... e gostei muito.

Concerto do afilhado no Plano B, grande concerto, grande surpresa, o espaço era muito giro.
A noite continuou no Fé, um ambiente para malta mais velha, onde foi consensual, todos achámos que as pessoas que estavam neste espaço, estavam ao "ataque" tudo em "modo caça".
Acabámos a noite no "Passos Manuel" também bar e discoteca, um espaço esquisito mas ao mesmo tempo giro. Era suposto termos seguido para mais dois bares mas a minha cunhada sentiu-se mal e o regresso à caminha foi mais cedo.

Chegámos depois das 5 da manhã a casa, algo que não fazia há mais de 5 anos, com toda a certeza.
Fiquei admirada com a minha pedalada. E ainda fui a motorista para casa. Tinha sido a única que não tinha bebido álcool. E no Porto não brincam em serviço. Fomos avisados por diferentes amigos/ família que ali a polícia está muito atenta e as operações stop são uma constante. É quase impossível não ser apanhado. E ainda bem.

O resto do fim-de-semana passou-se a dormir, a comer bem, e na companhia da família. Foi muito bom. E dei os meus primeiros 3 presentes de Natal (sendo que 2 eram do ano passado). Um deles era uma moldura com uma foto (tirada por nós) dos primos lisboetas (os meus filhos) com o primo do Porto. Este é sem dúvida o tipo de presentes que nos dá mais prazer em oferecer. Levam um bocadinho de nós.





Plano B



Passos Manuel


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Hoje embrulhei o primeiro presente de Natal!

Sim, leram bem.
Hoje embrulhei o primeiro presente de Natal (de manhã, antes de ir para o trabalho), que vai direitinho para o Porto.

Sim, estou a tentar esvaziar o meu armário que já está cheio de presentes de Natal! Principalmente brinquedos.

No último fim-de-semana de Novembro finalizo as minhas compras de Natal e começo a curtir o espírito da época!

Dois pontos para mim.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Energia positiva!

Em modo "tudo vai ficar bem". Venha de lá essa energia positiva!





sábado, 8 de novembro de 2014

Sobre a morte do avô

Decidimos contar apenas ao Francisco. A Beni tem apenas 2 anos e meio e não ia perceber. Achámos nós.

Esta semana a Beni, do nada perguntou pelo avô. Perguntei a qual avô a que se referia (já que ambos têm o mesmo nome), e a Beni foi bem especifica "o avô da avó M". Expliquei que estava no céu.
Ficou furiosa e ripostou: "Não está, não. Está em casa."

Fiquei mesmo triste com esta conversa...

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Os desenhos animados da Tv Cabo

Primeiro tive que bloquear o canal Panda Biggs porque era só pancadaria, estaladas e bofetões, xutos e pontapés. Um belo dia o Francisco testou, na brincadeira, uns golpes de karaté na minha pessoa. Foi a última gota.

Depois o meu filho teve que começar a ver desenhos animados noutros canais... e descobriu o Cartoon Network, e ficou completamente viciado no "Fantástico mundo de Gumball". E foi pior a emenda que o soneto, os personagens principais, "dois miúdos", eram super mentirosos, manipuladores com os pais. Uma cena "mítica" que vi, foi a filha mínima a ensinar ao pai, burro como as portas, o que era sarcasmo, isto em pleno supermercado. O pai não percebeu. A filha voltou a explicar. Exemplificou. O pai tentou "experimentar" o sarcasmo... mas não correu bem.
Enquanto isto se passava, os filhos estavam à porta do supermercado a inventar que viviam em extrema pobreza, e a angariar dinheiro a uma data de estranhos. Foi a última gota.



Agora descobriu um novo canal o Nickelodeon... e parece que a tendência não é melhorar. Agora estou por fio para bloquear mais um canal. O Nico está viciado no "Sanjay e Craig" um rapaz que tem como melhor amigo uma cobra. E vivem mil aventuras mas muito esquisitas. Tiveram um episódio inteiro a tentar ser imunes ao vómito. Sim, leram bem. E viveram/ experimentaram as coisas mais nojentas. Foram a casa de um amigo que nunca tinha vomitado na vida, e quando entram em casa, um deles repara que tinha pisado cocó, e que estava a sujar a alcatifa, resposta do pai, o dono da casa, "Não, tem qualquer problema" e ao mesmo tempo que dizia isto, abria a boca e mostrava que tinha posto o tal cocó na boca, depois aparece a mãe que está a dar um "chocho" ao cão, e cumprimenta os convidados com baba a escorrer-lhe pela boca e a cereja no topo do bolo foi quando foram apresentados à avó que vivia lá em casa, que as personagens principais destes desenhos animados apelidaram de nojenta, e aproveitaram para receber um abraço para ficarem imunes ao vómito.




Volta Mickey... estás perdoado!



terça-feira, 4 de novembro de 2014

Sobre a morte

Quando alguém que me é próximo morre faço sempre as mesmas coisas:


  • Continuo a falar dessa pessoa no presente
  • Não sou capaz de apagar o contacto do meu telemóvel
  • Procuro pessoas parecidas nos estranhos que se cruzam comigo na rua
  • Não acredito que essa pessoa foi "efectivamente para o céu" e que está a tomar conta de todos os que estão vivos. Que se reuniu com todas as pessoas que já não estão entre nós. Simplesmente não acredito.

Isto de não ser católica é uma chatice... porque para mim, as pessoas simplesmente desaparecem. Para sempre. E isso é muito difícil de digerir...

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

A realidade dos tempos modernos...

E pois que muito se tem falado da Jessica Athayde. E eu não percebo porquê.
Ela é gira, boa nas horas (desculpem o elogio camionista), simpática, boa pinta, até pode vestir um pano do pó que fica fantástica e... depois vem umas frustradas, escrever num blog de 5ª categoria, que a Jessica "devia comer menos hidratos de carbono e fazer abdominais". Isto é para levar a sério? Está tudo doido?

Pensava que o estilo Kate-Moss-passa-fome já estava fora de moda... Afinal estou enganada.
Em baixo uma das fotos da discórdia.

Jessica Athayde responde aos críticos do seu corpo

domingo, 2 de novembro de 2014

Raptadas (Prisioners)


Duas meninas desaparecem sem deixar rasto... uma história simples, um filme muito bem feito, nada o típico filme americano. O fim é inesperado.

Um filme para ver em modo stress. A não perder.