terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Traição

Um homem casado estava em sua casa com a amante.
Naquele dia a mulher saiu mais cedo do trabalho e foi directa para casa. Já estão mesmo a ver o que é que aconteceu...

Lamento mas não estão.

A amante entrou em pânico e decidiu fugir, não pela porta, mas por umas escadarias externas, de ferro, típicas dos prédios antigos lisboetas.

Pequeno pormenor... as escadas estavam muito danificadas, e a meio das mesmas estava uma daquelas fitas amarelas de perigo, para que não se descesse mais. A amante ignorou a dita fita e caíram as escadas e amante em cima delas. Toda a estrutura ficou por terra.

O F. a contar-me a história, e eu não estava a aguentar de tanto rir. Isto tem mais graça contado ao vivo.
Perguntei-lhe: "Então e a senhora ficou muito magoada?". Resposta: "A senhora morreu".

Moral da história? É melhor nem me perguntarem...

O que eu gostava de saber é: como é que a família da amante reagiu à notícia?
Esta mulher poder ter ajudado as criancinhas em África, pode ter doado um rim ao vizinho no Natal, podia até fazer voluntariado. O que é certo é que a sua vida ficou marcada pela sua morte... que não foi uma saída de cena muito airosa.




domingo, 23 de fevereiro de 2014

O post mais parvo de sempre (isto para não dizer outra coisa)

No Facebook, descobri que uma conhecida minha esteve grávida, quando postou o seguinte na sua wall:

"Afinal nem todos os recém-nascidos são feios" e ao lado desta frase fantástica, estava a foto do seu filho acabadinho de nascer.

Algumas considerações:


  • Foto fraquinha, no lusco fusco da maternidade, em que todos os gatos são pardos, e o miúdo, de facto, parecia engraçado.
  • Fotos publicadas mais tarde, com luz e focadas (coisa complicada de se fazer!) o puto não revelava assim tanta beleza (este é o meu máximo de diplomacia).
  • Para quem acabou de ser mãe, já mostra um jeito especial para achincalhar os filhos dos outros, a coisa promete. E quem teve a sorte (!?) de receber a visita desta dita mãe, quando o(s) seu(s) filho(s) nasceram, ficam na dúvida se tal elogio é para a sua cria.
  • Fiz um esforço hercúleo para não lhe dar uma resposta à altura. E optei por não escrever/ dizer nada porque vontade não me faltou. Contentei-me em fazer um churrilho de piadas na companhia do F., que também andou no despique da parvalheira, e ainda nos rimos à conta da frase mais parvinha dos últimos tempos.
  • Há gente muito desagradável...
  • Um momento que era para ser fofinho, tornou-se num crítica aos filhos dos outros...

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Trabalho a mais...

Sabes que andas com trabalho até à medula quando... estás a falar com o teu marido e dizes:" Bolas! Esqueci-me do meu telemóvel no escritório, agora também já não volto atrás!"

E só reparas que estás com o próprio do telemóvel na mão, quando desligas a chamada.

De repente, no meu local de trabalho adjudicaram não sei quantos projectos (clientes importantes), e todos para irem para a gráfica ao mesmo tempo. Pois claro! As minhas duas últimas semanas passaram a voar.
Estou de rastos e a sonhar com umas hipotéticas férias na Páscoa (que não sei, se as vou ter, porque se calhar vão adjudicar outro projecto que calha mesmo nesta altura).

sábado, 15 de fevereiro de 2014

"A melhor oferta" - O filme para ver esta semana



Ora aqui está mais um bom filme para ver.
Para quem tiver TvCine 1 poderá ver hoje.

Um filme com uma história diferente... Um mestre leiloeiro torna-se obcecado com uma herdeira extremamente agorafóbica que colecciona obras de arte.

O actor principal é Geoffrey Rush. E mais não digo.

O último a ver este filme é um ovo podre.


domingo, 9 de fevereiro de 2014

O post que resume o meu filho

Como sabem os desenhos animados agora são muito proativos...

O meu filho a ver a Casa do Mickey Mouse.

O Mickey: "(...) Ah! Temos que contar todas as maçãs que estão na árvore! Ajudas-me a contá-las?", Pausa.

Francisco: "Não".

Mickey: "Boa! Vamos começar... "

Francisco: "Eu disse que não!" (E disse isto com um ar "qual é a parte que não estás a perceber?").

Quando o meu filho chegar à adolescência procuro voluntários para o receber... por tempo indeterminado.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos!



Este filme é genial! Poucos actores, zero de efeitos especiais, diálogos muito bem escritos. Tudo se passa dentro de uma casa, num jantar que supostamente ia ser muito banal... O futuro pai revela o nome do bebé que está para nascer...e a coisa não corre muito bem.

Para rir muito. E ficar com pena porque o filme já acabou

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Fechados em casa é que eles (os filhos) estão seguros...

Um domingo à tarde pacífico, família cá em casa para beber chá e comer bolos... Tudo normal.
O Francisco, a andar no corredor, cai do nada, tropeça em si próprio, cai mal e abre a cabeça.

Pausa.
Lembro-me de perguntar a uma amiga, quando o filho partiu a cabeça, como é que ela sabia?

Foi fácil, o Francisco tinha um buraco enorme na testa, e deitava bastante sangue. Não é mesmo preciso ser licenciado em medicina.

Eu a pôr betadine "lá para dentro", o Francisco a chorar, e eu a mentir-lhe com todos os dentes, a dizer-lhe que já tinha passado, que não era nada... Dizia-o de forma muito credível, corriam-me as lágrimas.

O F. e o padrinho levaram o Francisco para as urgências. Eu fiquei em casa com a Beni e a restante família. A Beni viu o mano a chorar e ficou a chorar também. E esteve o tempo todo a perguntar pelo kiko.

Estava a fazer-me confusão o meu filho estar no hospital, e eu em casa. Pouco depois fui lá ter. Quando entrei no corredor das pequenas cirurgias, a primeira coisa que ouvi foi o Francisco a chorar/ gritar. Fiquei desorientada. De onde é que vinha o som? O corredor tinha tantas portas. Perguntei a uma auxiliar que me indicou a porta. Pedi para perguntar se me deixavam entrar a mãe. Não deixaram, porque a sala já estava com demasiadas pessoas.

E então, enquanto o meu filho era cosido, eu estava no corredor a ouvi-lo chorar e a gritar "eu quero sair daqui". Um momento inesquecível.

Séculos depois saiu. Levou 5 pontos. E estava com um ar de quem tinha acabado de ter sido torturado.

Enfim, depois fomos para casa e lanchamos todos à mesa, como se nada tivesse acontecido.