terça-feira, 28 de abril de 2009

Segredinho

O senhor da farmácia sabia, a minha médica de família sabia, a enfermeira-nazi sabia, a senhora da farmácia soube primeiro que eu, o meu professor de ginástica sabia, a senhora da Papa Pura sabia, a senhora da Pizza na Brasa sabia, o médico do Hospital S. Francisco Xavier sabia, a senhora das análises do Laboratório Joaquim Chaves sabia, os meus directores sabiam… e ninguém que interessava sabia. Ninguém.

Cheguei à conclusão que é mais fácil guardar um segredo dos outros do que meu. A muito custo não dissemos nada a ninguém. Era uma tortura estar com a família e com os amigos e não contar.

Inventei que estava a tomar medicamentos para não poder apanhar uma bebedeira na despedida de solteira da S. Obriguei o F. a comer salada (como se não houvesse amanhã) em eventos sociais para ninguém estranhar eu não estar a comer (o truque era não sobrar), fugi do tabaco como o diabo da cruz (nos anos da mana M. tive que ficar à janela qual carochinha porque naquela família até o periquito fuma!). E muitas vezes tive vontade de rir perdidamente, porque eu e o F. metíamo-nos em situações caricatas… parecia de propósito… à filme.
E nunca ninguém desconfiou. Ninguém descobriu.
Já comprei uma gabardine e uns óculos escuros e vou mandar o meu currículo para o FBI. Está decidido, vou mudar de vida, mas só depois de ter o bebé.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Ontem foi dia de conduzir...



um Jaguar XF R.

E abusei na velocidade. Mesmo. Quando disse ao F. levei um raspanete e com razão.

O facto de ter uma das pessoas que faz parte da equipa de ensaios a ensinar-me como se deve realmente conduzir, e a dizer o que é que eu fazia de errado foi muito bom.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Surpresa boa

Há duas semana atrás (os meus posts andam sempre fora de prazo) tive uma surpresa boa. Muito boa.
Pelo menos duas vezes por semana vou almoçar a casa dos meus pais. Pelo caminho (vou sempre a pé) o meu ex-editor passa por mim de moto e manda uma apitadela que me assusta, e alguns segundos depois passam também uns colegas meus de carro que fazem o mesmo. Estou para ver o dia que tenho um ataque cardíaco! É que assim que saio do local de trabalho acciono o “modo lua” e desligo completamente do mundo exterior. E nunca me lembro…
Chego sempre a casa dos meus pais à mesma hora, toco à campainha de um modo específico para saberem que sou eu, o meu pai abre a porta e pergunta sempre (do alto das escadas) quem é, e eu respondo sempre que é o Papa.
Não falha.
Mais uma hora de almoço que parecia que ia ser igual às outras, mas depois de me ter apresentado como Papa, chego ao topo das escadas e vejo o meu pai com um baby ao colo.
Era o meu primo bebé que tinha vindo almoçar comigo, e trouxe a mãe e a avó consigo. Foi mesmo uma surpresa muito boa. Escusado será dizer que mal almocei e tive sempre com a criançola ao colo.

Nota: O que me faz lembrar que não vejo os meus sobrinhos-lindos à algum tempo… As respectivas mães que se acusem.
Não me façam apontar o dedo.

A minha sina

Se algum dia uma cigana me lesse a mão ou se eu fosse a um daqueles tarólogos duvidosos (passo a redundância) a minha previsão seria mais ou menos assim:

“Vai viajar bastante, e conduzir carros fantásticos”

A primeira conclusão que tiraria era “caramba! Vou ser rica!”
Mas afinal a senhora vidente esqueceu-se de dizer que na maioria das vezes viajaria a trabalho, e os automóveis fantásticos, infelizmente, não seriam meus…

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Qual o cúmulo do à vontade?

Adormecermos ferrados, eu e o F., com uma amiga lá em casa.

O F. tem uma estrelinha da sorte (dentro do azar)

Há algum tempo relatei um acidente que o F. teve, um carro que se pôs à sua frente, e travou a fundo propositadamente.
Há duas semanas atrás, uma senhora a tirar o carro do estacionamento deu uma pancada valente no carro do F. O farol ficou todo partido, e a moldura que o prende ficou pendurada… A senhora foi à empresa onde o F. trabalha e deu-se como culpada, pagaria tudo.
A parte boa é que a senhora danificou a grelha do Saxo que já estava ligeiramente estragada do acidente anterior.

Moral da história: O F. vai ter o carro restaurado sem pagar um cêntimo. Bastou ter o automóvel estacionado no sítio certo, à hora certa.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Era um bairro pacato…

Primeiro foi um senhor de fato e gravata, que muito educadamente, assaltou o supermercado de bairro. Pôs-se na fila, como as outras pessoas, e quando chegou a altura de pagar, o senhor disse que ia levar as compras e o dinheiro todo da caixa registadora (esta conversa toda foi com muita calma, sem levantar a voz e com uma arma apontada à senhora por detrás do balcão). Foi tão low profile que algumas pessoas que se encontravam no supermercado, nem se aperceberam…

Dias mais tarde, enquanto o marido foi à farmácia, a mulher e o filho pequenino ficaram no carro á espera. A chave estava na ignição. Três indivíduos aproximaram-se do carro, abriram a porta do lado do condutor, mas a mulher reagiu. Puxou a chave mais rápido e fez uma chinfrineira… O pai saiu da farmácia a correr, e os três indivíduos de aspecto muito duvidoso fugiram a sete pés…

E o mais original foi um assalto por fora do prédio. Nem pensar tentar entrar pela porta. O senhor assaltante subiu até ao 6º e 7º andar de um prédio lá do bairro, entrou pela janela e nas calmas levou tudo o que lhe apeteceu. E pelos vistos, as pessoas que passavam acharam normal.

Destes três casos, apenas o ladrão do prédio é que foi apanhado/ reconhecido. Sim, é que isto de entrar em janela alheia de forma discreta, implica deixar a máscara na viatura… Ao menos uns óculos de sol!

Páscoa' 09

Foram umas mini-férias que passaram a correr. Partimos na quarta-feira à noite para Viana do Castelo, eu fiz o esforço do costume para não adormecer em viagem, mas como de costume adormeci.
Estiveram típicos dias de Inverno, passaram-se serões á lareira, passeámos os cães, comemos por tudo e por nada (o top model engordou um kilo e ficou paranóico), fomos a uma Feira fantástica e comprámos trapos a 10 euros (bem acompanhadas pela amiga da mana M., que é uma fanática por compras, e tem olho para distinguir o trigo do joio) e fomos ver a "maior mesa da Páscoa" que foi uma fraude … A quebrar a tradição, não chegámos a receber a visita do padre a nossa casa (estava a ficar tarde, e tínhamos que regressar a Lisboa), não estivemos com os tios do Porto (também com muita pena minha) e não houve a caça aos ovos de chocolate no jardim porque já está tudo crescido…
A mana M. apanhou a doença da família Tanaka, e disparou flashs por tudo e por nada (tinha recebido uma máquina fotográfica Super XPTO nos anos).

terça-feira, 14 de abril de 2009

Castigos

Andava eu cheia de pena da filha de uma colega do F… que tinha levado o telemóvel às escondidas de casa (estava confiscado no quarto dos pais) para a escola. Foi apanhada por uma professora a mandar SMS nas aulas, e o dito telemóvel ficou confiscado na escola. A tal mãe recebe um telefonema da escola a contar o sucedido, e afinal o telemóvel já não estava na gaveta da mesinha de cabeceira (como julgava) mas na gaveta da secretária do Director. Castigo pela desobediência: não vai ao grande acampamento dos escuteiros.

E afinal há castigos bem piores…
Noutro patamar… está o aborrecente do filho do vizinho da frente da casa de férias no Norte. Acompanharam?
Que num belo dia decidiu levar o carro da mãe às escondidas, e teve o grande azar de bater com o dito automóvel. Dois pormenores um bocadito importantes para esta história: primeiro, o automóvel é um Jaguar, e segundo, o puto não tem carta.
Castigo pelo descaramento: vai de férias seis meses para a tropa.
Ah! O arranjo vai custar 7.000 euros.
Eu, do alto da minha sabedoria de mãe experiente, punha o meu filho a trabalhar na minha fábrica (o pai de verdade é dono de uma fábrica) até pagar o arranjo. Nunca mais se esquecia.

Passaporte caducado

Há anos que o meu passaporte caducou, acho que a última vez que o utilizei foi para ir ou à Turquia ou ao Egipto… Não me lembro.
Hoje o meu editor diz que tenho que ir a uma apresentação na Croácia, que é já esta quinta, e como não tenho passaporte… fico em terra. Alguém irá no meu lugar.
Aprendi da pior maneira. Comigo normalmente costuma ser assim.
Adivinhem quem é que vai tratar do passaporte para a semana? E pagar 60 euros?

terça-feira, 7 de abril de 2009

Santini do Estoril já abriu

Mandei emails, telefonei para o Santini, e nada. Ninguém me ligou nenhuma, ninguém me informou de nada. Soube pela M. que o Santini tinha aberto no fim-de-semana.
E adivinhem quem é que vai lá hoje comer um gelado?

Despedida de solteira da S.

Oito raparigas foram para Évora para celebrar a despedida de solteira da S.
Já no Alentejo foi difícil (quase impossível) comer pão alentejano, Sericaia (nem vê-la), obrigámos a solteira a fotografar com uma tuna que estava plantada na Praça do Giraldo, ficámos instaladas numa pensão que tinha cão de loiça, flor de plástico e casa de banho no armário (!?).
Á noite jantar até às tantas (fechámos o Restaurante), a S. discursou, todas discursámos, tudo com uma dose de álcool em cima (menos eu, a fotógrafa de serviço, e que fotos comprometedoras eu tirei). Fizemos a festa num local de convívio que era só para sócios (mas pedimos para entrar e deixaram), e um suposto bar de bilhar calmo de converseta, teve direito a comboio, a tirar fotos com tudo o que mexia, shots a perder de vista… À saída alguém decidiu descer as escadas como se fosse um escorrega, e alguém que estava tão bêbeda que andava literalmente aos “Ss” (e eu a achar que era exagero dos filmes), e até uns holandeses que por lá andavam cantaram uma música para a noiva. Fim da noite na discoteca Praxis.
No dia seguinte, tudo podre, directamente para a esplanada almoçar e/ou ressacar. Regresso a Lisboa ao fim da tarde.

A M. fez 25 anos

Para mim a irmã do F. sempre teve 16 anos. Não se explica. Parei no tempo. Enfim, isto tudo para dizer que a M. fez 25 na sexta, que já está tão crescida que vai casar em Outubro…e se calhar é melhor eu começar a memorizar a nova idade…
O facto de ter uma cara muito novinha (ninguém lhe dá 25 anos) e de se vestir de uma forma mais descontraída também não ajuda…
Houve uma grandes festarola em família, com tudo a que tínhamos direito (fumo incluído). O Gaudí é que não achou muita graça, porque passou a noite toda a fugir do primo Santiago, que tem 3 anos, e que não o largou um segundo: montou-o como se fosse um cavalo, fez-lhe pegas como se fosse um touro, puxou-lhe o rabo, e já no fim enfiou-lhe os dedos nos olhos e deu-lhe um pontapé (a última parte é que já não teve tanta graça… e eu estava-me a controlar para não lhe dar um puxão de orelhas). E como era uma criança o Gaudí não reagia, limitava-se a fugir…

Nota: Foi castigo por ter violado o único convidado novo que estava no jantar… que não conhecia ninguém (coitado, que vergonha)!

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Up-grade

Ontem foi dia de caminhada no paredão com a C., M. e Tia O.
Aproveitei que estava com um carrão para testar e dei boleia à malta da Parede.
A reacção foi gargalhada geral. Não que o Audi Q5 fosse cómico mas porque não estavam nada à espera de me ver num SUV todo quitado. A M. que estava no meio da rua à nossa espera, nem se apercebeu que nos estávamos a aproximar. A situação foi mesmo caricata…
A caminhada no paredão combinada à última da hora soube mesmo muito bem, deu para pôr a conversa em dia, e ver algumas caras conhecidas…